Porto Velho, 19 de setembro de 2019
Home > Boletim 103,1 > Após tratar caso raro de botulismo, profissionais do Heuro realizam simpósio em Cacoal

Após tratar caso raro de botulismo, profissionais do Heuro realizam simpósio em Cacoal

No início deste ano cinco pessoas do município de São Miguel do Guaporé contaminadas com botulismo foram encaminhadas e tratadas no Huro (Hospital de Urgência e Emergência de Rondônia) em Cacoal. Para atualizar os conhecimentos sobre diagnóstico e tratamento da doença, aconteceu na última semana, no auditório do Hospital Regional de Cacoal, o 1º Simpósio Multiprofissional, com o tema Botulismo: Diagnosticar Tratar e Curar. O evento foi organizado pelos alunos da Residência Multiprofissional do Complexo Hospitalar Regional de Cacoal e teve como público alvo profissionais do Complexo e acadêmicos da região.

Uma das organizadoras do simpósio a residente de enfermagem Rittiela Rocha da Silva, falou sobre o assunto. “Nós decidimos falar sobre isso porque o botulismo é uma doença muito rara e difícil de ser diagnosticada. Foi um caso que chamou muita atenção porque não acontecia há anos e além disso conseguimos tratar esses pacientes, todos de alta sem nenhum óbito, mesmo alguns chegando a ficar 6 meses internado em estado grave”.

Jovelina de Souza Oliveira Neta, 21 anos, é uma das pessoas que contraiu a doença e participou do evento.

“Pra mim foi uma fatalidade. Agora tomaremos mais cuidado com a alimentação, com o manuseio e armazenamento dos alimentos. A minha recuperação foi extraordinária, tive que aprender tudo de novo, mas cada coisa que conseguia fazer sozinha era uma conquista muito grande”, conta Jovelina.

Durante o simpósio o público pôde acompanhar uma palestras ministradas por profissionais médicos, mesa redonda composta por residentes de enfermagem, nutrição e fisioterapia que falaram sobre a atuação em suas respectivas áreas para tratar os pacientes de botulismo.

O botulismo é uma doença bacteriana rara, que entra no organismo por meio de machucados ou pela ingestão de alimentos contaminados, principalmente os enlatados e os que não têm preservação adequada. A doença pode levar à morte por paralisia da musculatura respiratória.

Fonte
Texto: kátia Santos
Fotos: Rittiela Rocha
Secom – Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *