Porto Velho, 15 de novembro de 2019
Home > Boletim 103,1 > Idaron inspeciona mais de mil propriedades rurais para garantir que Rondônia seja território livre da ‘Monilíase do Cacaueiro’

Idaron inspeciona mais de mil propriedades rurais para garantir que Rondônia seja território livre da ‘Monilíase do Cacaueiro’

Neste ano, a Agência realizou levantamento em 1.122 propriedades, confirmando a ausência da Monilíase do cacaueiro no estado de Rondônia.

Rondônia continua território livre da ‘Monilíase do Cacaueiro’, doença que ataca lavouras de cacau e de cupuaçu, causada pelo fungo ‘Moniliophthora roreri’. A Monilíase é muito agressiva e pode causar perdas de até 100% da produção de frutos, por isso, anualmente, desde 2013, a Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado (Idaron) realiza inspeções em todas as propriedades em que é feito plantio de cacau e cupuaçu.

Neste ano, a Agência realizou levantamento em 1.122 propriedades, confirmando a ausência da Monilíase do cacaueiro no estado de Rondônia.

O trabalho é feito conforme a Instrução Normativa MAPA n° 13 de 2012. “O levantamento foi realizado através de visita às propriedades que possuem cacaueiros ou cupuaçuzeiros, vistoriando os frutos em áreas comerciais, lavouras abandonadas, quintais produtivos ou quintais agroflorestais”, explica Jessé de Oliveira Júnior, da Gerência de Inspeção e Defesa Sanitária Vegetal.

Segundo ele, mesmo estando o estado livre da praga, a Idaron está preparada para atuar de forma emergencial se um dia surgir algum foco. “Os servidores foram capacitados para atuar em casos de emergência e materiais para auxílio na detecção e contenção de focos estão sendo adquiridos pela Agência”, salientou.

MONILÍASE

Os sintomas da Monilíase nos frutos são: manchas de coloração chocolate ou castanho-escuro, que aparecem entre 45 e 90 dias após a infecção e posteriormente; pó branco envolta do fruto, que aparece de 5 a 12 dias. Esse pó se solta dos frutos em grande quantidade. Além do cacaueiro, o cupuaçuzeiro e outras espécies silvestres podem ser afetados e transmitir a doença.

A praga ainda não foi detectada no Brasil, mas está presente na América Central, Caribe e, na América do Sul, em países que fazem fronteira com o Brasil, como a Bolívia, Peru, Colômbia e Venezuela, por isso Rondônia é considerada de alto risco para a entrada da praga no país.

A praga pode ser levada pelo vento, chuva, insetos e animais silvestres, mas somente através do homem pode ser levada a grandes distâncias, através de material contaminado, como roupas, utensílios, sementes, frutos etc.

Caso algum produtor encontre algum fruto com suspeita da doença, os frutos não devem ser retirados da planta. O local deve ser isolado e o produtor deve comunicar a Agência Idaron o mais rápido possível pelo site ou pelos telefones Disque Idaron – 0800 643 4337, Disque denúncia – 0800 704 9944.

Fonte
Texto: Toni Francis
Fotos: Idaron
Secom – Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *