sábado, julho 20, 2019
Home > Boletim 103,1 > Rondônia mostrará ao Brasil suas potencialidades turísticas, até mesmo aquelas desconhecidas da sua própria população

Rondônia mostrará ao Brasil suas potencialidades turísticas, até mesmo aquelas desconhecidas da sua própria população

Rondônia fará o mesmo que os peruanos: mostrará ao Brasil suas potencialidades turísticas, até mesmo aquelas desconhecidas da sua própria população. O compromisso foi firmado pelo superintendente estadual de turismo, Gilvan Pereira Júnior, quarta-feira (10), durante o 1º Fórum Internacional de Turismo, no auditório do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia.

O evento mostrou exemplos da Costa Rica em termos de consciência do turismo autossustentável e melhor prestação de serviços, e do Peru, em políticas públicas para o setor. “O turismo pode ser o agente mais importante na transformação da pobreza”, proclamou a consultora internacional Lorena San Román, mencionando a atual situação de seu país, a Costa Rica.

O número de visitantes àquele país subiu de 329 mil em 1988, para 1 milhão em 1999, até alcançar 2 milhões de turistas estrangeiros em 2008. Em 2014, o número de visitantes alcançou o recorde de 2,5 milhões de turistas estrangeiros, proporcionando receita de US$ 2,6 bilhões.

Lorena, que também é reitora da Universidad para la Cooperación Internacional en Bacalar, Quintana Roo, México, sugeriu a Rondônia o planejamento participativo e o equilíbrio. “Quanto suporta um rio, uma bacia, uma floresta?”, questionou.

Em seguida, elogiou o “calor humano e o carinho” que lhe encantaram no estado. “Para vocês serem felizes, invistam no social, vejam o que compete a cada um, ao governo e à iniciativa privada”, ela disse dirigindo-se ao superintendente estadual do turismo Gilvan Pereira Júnior.

Para Lorena, a falta de planejamento político pode se tornar uma ameaça, por isso a Costa Rica elaborou um plano de 2017 a 2021.

“O Peru só conseguiu ser o que é, ter essa marca e atrair gente de todo mundo, porque trabalhou políticas públicas 20 anos; a Costa Rica trabalhou 30 para construí-las”, disse a responsável pelo escritório comercial do Peru em São Paulo, Milagros Ochoa Koepke.

A marca Perú demorou dez anos para substituir a antiga. “Ao longo do tempo constatamos que o nosso país não tinha somente os Incas, daí partimos para o resgate da identidade local”, explicou.

“Não queira Rondônia se vender ao mundo com o turismo convencional, porque não tem, mas se vender o amazônico, vencerá”, aconselhou Milagros Ochoa.

Em seguida, disse que o turismo rural comunitário no Peru vai se denominar apenas turismo comunitário em 2020, valendo-se de 33 vídeos muito bem produzidos e 76 empreendimentos em diversas regiões.

Esse segmento, informou Milagros, começou 70 anos atrás na ilha de Taquile, no Lago Titicaca, em Puno.

Então, Rondônia pode passar cultura e emoções às pessoas, trabalhando para obter destinos autênticos e competitivos”, ela acrescentou.

“PEREGRINAR”

“Vamos peregrinar”, comprometeu-se Gilvan Pereira. Ele se inspira no exemplo de Milagros Ochoa, que deixou diversas vezes o escritório comercial do Peru em São Paulo, para divulgar as belezas de seu país em estados brasileiros.

“O turismo faz gerar renda, move a economia, e se for autossustentável crescerá, porque a população necessita dele”, disse.

“Que me perdoem os mato-grossenses, mas o Vale do Guaporé em Rondônia tem mais riquezas que o Pantanal”, disse o presidente do TCE, conselheiro Edilson de Sousa Silva.

Silva elogiou o Programa de Modernização e Governanças de Fazendas Municipais e Desenvolvimento Econômico Sustentável dos Municípios de Rondônia (Profaz), que conseguiu ser referência na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A OCDE é uma instituição formada por 36 países com princípios da democracia representativa e da economia de mercado, e cuja maioria de membros possui elevado PIB per capita (por cabeça) e bom Índice de Desenvolvimento Humano.

“Após este Fórum, que o mundo venha para Rondônia, porque o nosso sonho é para ser realizado”, apelou Silva.

O Profaz já foi levado para outros estados brasileiros, informou o presidente do TCE. O conselheiro Benedito Antonio Alves, ideólogo do programa, está otimista com a possibilidade da exploração do ecoturismo:

 “A mais vasta área tropical do Planeta dá o primeiro passo para se tornar um invejável cenário turístico devido à sua fauna e flora incomensuráveis”, disse Benedito Alves.

Lembrou que o município de Cacaulândia tem uma das maiores biodiversidades do mundo, e o fato é ainda desconhecido da população estadual. “Se nos unirmos, descobriremos nossas potencialidades e solucionaremos nossos desafios aéreos, hidroviários e ferroviários; temos 23 mil quilômetros de rios navegáveis, e com 40 etnias indígenas, Guajará-Mirim é o maior município verde do País”, acrescentou.

Voos internacionais e integração latino-americana inspiram o vice-presidente da Federação do Comércio de Rondônia (Fecomércio), Gladstone Frota. “Seremos futuramente, melhor que o Paraná, temos água doce, florestas, e pelo menos cinco mil jovens daqui estudam na Bolívia”.

O ex-governador Daniel Pereira, atual superintende do Sebrae no estado e amigo da consultora Lorena San Román, abriu mão da palavra para dar mais tempo de fala aos palestrantes.

LIÇÕES DA COSTA RICA

Parques nacionais e área protegidas cobrem 25% do território da Costa Rica. Desde 1995, o turismo representa a primeira fonte de moeda estrangeira da economia de Costa Rica. Desde 1999 as receitas do setor superam as da exportação de banana abacaxi e café juntos.

“É preciso alcançar o desenvolvimento sustentável em harmonia com o ambiente, comunidades e culturas”, apelou Lorena San Ramón em sua palestra.

Aquele país chegou a ser conhecida como o principal representante poster child do ecoturismo, período no qual as chegadas de turistas estrangeiros alcançou taxa de crescimento anual de 14% entre 1986 e 1994.

Lorena lembrou da Rio 92 (Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento), falou da biodiversidade, de mudanças climáticas e dos objetivos do Milênio.

“Como se chega, como se vai, é preciso que as pessoas saibam como chegar e como sair de Rondônia”, recomendou, antevendo maior fluxo de voos internacionais em Porto Velho.

Alinhou problemas que espera não vê-los ocorrendo no estado: 1) em Manaus, notou a necessidade de as lojas de câmbio também abrirem as portas aos domingos; 2) toda melhoria na internet é bem-vinda em qualquer lugar da Amazônia; 3) a falta de certificação de sustentabilidade turística; é preciso tê-la; 4) a necessidade de maior atenção ao visitante e da melhor prestação de serviços, sejam quais forem; 5) o ensino da língua portuguesa.

A respeito do último item, mostrou no audiovisual um grupo de jovens professores costarriquenhos ensinando espanhol a norte-americanos.

O FÓRUM PROPÕE

►O canal de pesca Baca, no Youtube, foi mostrado por seu idealizador, Fábio Fregona, na última palestra da noite. Porto Velho, Capital da Pesca Esportiva, é a proposta dele. Fábio grava e edita sozinho no Youtube o tema pesca e natureza. “O público viu o diferencial e, em um mês, fez dez mil comentários”.

► O pirarucu é o peixe com maior potencial para trazer pescadores a Porto Velho. Fábio sugere política especial para a espécie: “Ele cresce, é bonito, é troféu. Até a década de 1990 não se acreditava que ele poderia ser fisgado com anzol”, disse. O projeto Porto Velho, Capital da Pesca, teve origem no TCE.

► Diminuir o prazo de liberação de alvarás. “Um ano significa burocratização”, queixa-se o conselheiro do TCE Benedito Alves.

► Rondônia e o Brasil precisam, cada vez mais, criar ambientes favoráveis a pequenos negócios, reivindica o diretor técnico do Sebrae-RO, Samuel Almeida.

► O vice-cônsul honorário da Itália em Porto Velho, Cláudio Guastella, proprietário do Restaurante San Genaro, pede à classe política (Legislativo e Executivo) que construa “coisas que durem para as próximas gerações, não apenas as que durem somente até as próximas eleições”. Destaca a beleza da Catedral Sagrado Coração de Jesus e o plantio de flores “para tornar a cidade mais acolhedora”.

► Angústia da hotelaria – “Se o mundo se encontra em São Paulo, o Brasil se encontra em Rondônia, é chegada a hora deste estado pôr fim à angústia da hotelaria e de outros segmentos”, assinalou o vereador e historiador Aleks Palitot. Ele disse que gravou programas em 27 municípios com potencial turístico e apelou aos gestores públicos para direcionarem mais recursos ao setor.

Fonte:
Texto: Montezuma Cruz
Fotos: Nilson Santos
Secom – Governo de Rondônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *