terça-feira, setembro 29, 2020
Home > Boletim 103,1 > Dos quase 1,2 mil servidores do Hospital João Paulo, 45 já testaram positivo para Covid-19 em RO

Dos quase 1,2 mil servidores do Hospital João Paulo, 45 já testaram positivo para Covid-19 em RO

Dos quase 1,2 mil servidores do Hospital e Pronto Socorro João Paulo II, quase 200 já realizaram exames para Covid-19 em Porto Velho. Desses, 45 testaram positivo para a doença, 61 tiveram resultado negativo e já voltaram aos postos de trabalho e outros 60 continuam afastados aguardando resultados.

As informações foram repassadas à imprensa pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesau) na manhã desta quarta-feira (22), durante coletiva. Segundo o secretário Fernando Máximo, ainda hoje serão feitas, em média, 25 coletas de exames de servidores do João Paulo.

“Montamos uma estrutura paralela para testar esses servidores, mesmo aqueles sem sintomas que puderam ter tido contato com servidores já positivados”, disse Máximo.

Médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e técnicos de laboratório tiveram contato com um paciente infectado no “CoronaFest” e a partir disso começaram a ter sintomas sugestivos para a doença. Por isso, o aumento no número de infectados entre profissionais da saúde é tratado como consequência de festas realizadas na capital durante a pandemia.

Denúncia

Uma paciente, que preferiu não ser identificada, ficou internada no Hospital João Paulo no dia 7 de abril. Ela denunciou ao G1 que técnicas em enfermagem não usavam Equipamentos de Proteção Individual (EPI) como máscaras, luvas e estavam atendendo com cabelos soltos.

“Não faltava material [EPI] eu via chegando. O que faltava era responsabilidade dos profissionais. Pareciam estar desfilando nos corredores, com cabelo solto”, relatou a paciente.

Questionada, a assessoria de imprensa do Hospital João Paulo II garantiu que não há falta de EPIs.

“Mesmo com material a disposição, há profissionais que não buscavam seus EPIs no setor de distribuição e isto é fiscalizando pela comissão de controle interno de infecção hospitalar”.

Fonte: G1 Rondônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *