A ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) autuou e interditou uma bomba medidora de um posto de combustível por irregularidades, em Porto Velho (RO). A agência realizou fiscalizações entre 29 de agosto a 1º de setembro em 13 estados.

De acordo com a ANP, em Porto Velho os agentes fiscalizaram três postos de combustíveis. Um deles apresentou irregularidade no ‘volume dispensado’, ou seja, a quantidade de combustível exibida na bomba não é a mesma quantidade de combustível que sai da bomba.

Ao ser constatada a irregularidade, o posto foi autuado e teve a bomba interditada. Por fim, durante as ações, os fiscais verificaram os padrões de qualidade dos combustíveis, o fornecimento do volume correto pelas bombas, apresentação de equipamentos e documentação adequada.

Estados da Amazônia Legal

As fiscalizações feitas entre os estados localizados na Amazônia Legal também ocorreram no Acre e Mato Grosso.

Acre

Em Rio Branco, os fiscais estiveram em 11 postos e em uma distribuidora de combustíveis. Quatro postos sofreram autuações.

Em um dos postos de combustível, foram encontradas irregularidades como a falta de identificação do fornecedor de combustíveis, comercialização de diesel B S10 comum como se fosse aditivado e exibição de painel de preços com três casas decimais.

Além disso, um outro posto foi autuado por aferição irregular na bomba medidora, e uma distribuidora sofreu autuação por não fornecer amostras-testemunhas aos revendedores.

Mato Grosso

Seis postos de combustíveis, cinco revendas de GLP e um transportador-revendedor-retalhista (TRR) foram inspecionados nas cidades de Alta Floresta e Nova Monte Verde.

De acordo com a ANP, três postos de Nova Monte Verde foram autuados por não possuírem todos os equipamentos obrigatórios utilizados na análise de qualidade dos combustíveis, procedimento que pode ser solicitado pelo consumidor. Um dos estabelecimentos também foi autuado por apresentar defeito no termodensímetro, equipamento acoplado às bombas de etanol hidratado para verificar aspectos de qualidade.

Além disso, em Alta Floresta, uma revenda de GLP foi interditada por questões de segurança de suas instalações — o portão existente na revenda não atendia às dimensões mínimas exigidas na legislação.

Uma outra empresa foi interditada em Alta Floresta por exercer atividade de revenda de GLP sem autorização de operação da ANP. No local foram apreendidos três botijões de gás de cozinha de 13kg (P13).

Fonte: Diário da Amazônia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enviar Mensagem
Estamos Online
Rádio Caiari
Olá 👋
Como podemos ajudar?