terça-feira, setembro 29, 2020
Home > Formação > Atlas Pan-Amazônico: obra faz mapeamento sobre ação da Igreja na região

Atlas Pan-Amazônico: obra faz mapeamento sobre ação da Igreja na região

O documento, resultado de 3 anos de consultas em 9 países da Amazônia, será apresentado durante o Sínodo dos Bispos de outubro, no Vaticano. Em especial, o Atlas Pan-Amazônico faz parte das atividades paralelas do projeto “Amazônia: Casa Comum”, ao oferecer uma amplo panorama da realidade eclesiástica e socioambiental daquela região.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

“ Tem uma experiência muito bonita de uma indígena de Ticuna, na fronteira entre o Brasil, Colômbia e Peru, que ela diz: meu avô diz que tem alegria de escutar o Papa Francisco porque o vovô de vocês, agora pensa como nós, que somos avós neste território. O avô de vocês – o avô branco – escuta também o avô indígena, e a gente pode partilhar fortemente essa experiência. ”

O testemunho é do Pe. Júlio Caldeira, missionário que vive há 10 anos na Colômbia, e transmite a mensagem do Papa Francisco àquela realidade. Em especial, o relato foi da comunidade indígena dos Ticuna. São em mais de 50 mil divididos entre o Brasil, a Colômbia e o Peru, com maior concentração na Amazônia brasileira.

“Esta é uma Casa Comum, onde todos vivemos: seja Europa, seja África, a Ásia, a América – e neste caso onde está a Amazônia. A gente tem que trabalhar junto pra construir esse mundo melhor. Essa proposta forte do Papa Francisco na Laudato si’ de uma ‘ecologia integral’, onde as pessoas e o meio ambiente possam conviver bem, desde o caminho da espiritualidade e de fé que como católicos fazemos nesse ambiente.”

Amazônia: Casa Comum

Atlas Pan-Amazônico da Repam

Entre os eventos está a apresentação do Atlas Pan-Amazônico da Repam que contempla a realidade eclesiástica e socioambiental daquela região, material produzido através de consultas realizadas nos últimos três anos. A síntese pretende servir ao processo sinodal e, em seguida, ajudar na implementação dos resultados do pós-Sínodo.

“Mostrando, por exemplo, que no território amazônico dos 9 países são 103 jurisdições eclesiásticas, entre prelazias, dioceses, vicariatos… Quantos agentes de pastorais presentes, entre sacerdotes, bispos, leigos, catequistas, animadores; além de um mapa amplo de todo o ambiente que tem a Amazônia: as situações difíceis, os grupos vulneráveis. Aquilo que geralmente a gente precisa fazer como Igreja para estar no território ajudando também os povos nessa parte social e, por outro lado, ajuda também nós a pensar a evangelização nesse território.”

“ O que a gente quer é isso: o bem da Amazônia, dos povos que vivem aí, para que desde Jesus Cristo a gente possa ter essa vida – e essa vida em abundância, que é o projeto forte de Jesus. ”

Fonte: Vatican News
Foto: Pe. Júlio Caldeira em missão junto aos povos indígenas da Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *