quinta-feira, agosto 13, 2020
Home > Formação > Narrar histórias que tragam a verdade: uma leitura da Mensagem do Papa aos media

Narrar histórias que tragam a verdade: uma leitura da Mensagem do Papa aos media

A Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais neste ano de 2020 sublinha a necessidade de contar histórias boas. Evitando narrar intrigas e falsidade.

Rui Saraiva – Porto

No dia 24 de janeiro, memória litúrgica de S. Francisco de Sales, o Santo Padre publicou a Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais que neste ano de 2020 se celebra a 24 de maio.

Na Mensagem para este ano o Papa decidiu dedicar-se ao tema da narração. Chamou-lhe: «“Para que possas contar e fixar na memória”. A vida faz-se história».

Francisco considera ser necessário “respirar a verdade das histórias boas”, aquelas que não desejam destruir, mas edificar. “Uma narração que saiba olhar o mundo e os acontecimentos com ternura” – escreve o Papa.

Descobrir histórias boas

Na sua Mensagem Francisco concentra-se na necessidade humana de narrar histórias “para guardar a própria vida”. Histórias com heróis movidos pela “força do amor”.

Contudo, existe a tentação de narrar com o mal. Diz o Papa que é a “tentação da serpente” vertida na narrativa de uma história.

“Quantas histórias nos narcotizam, convencendo-nos de que, para ser felizes, precisamos continuamente de ter, possuir, consumir. Quase não nos damos conta de quão ávidos nos tornamos de bisbilhotices e intrigas, de quanta violência e falsidade consumimos” – escreve Francisco.

O Papa refere que, frequentemente, na comunicação social “produzem-se histórias devastadoras e provocatórias”.

Francisco assinala os tempos que vivemos com grande difusão de notícias falsas e pede “paciência e discernimento” para descobrir histórias que “tragam à luz a verdade daquilo que somos”.

A História das histórias

O Santo Padre recorda que a Bíblia é uma História de histórias que recolhe em si tantas “vicissitudes, povos, pessoas”. E revela “um Deus que é simultaneamente criador e narrador” que coloca o homem e a mulher como “livres interlocutores, geradores de histórias juntamente com Ele”.

“A Bíblia é a grande história de amor entre Deus e a humanidade. No centro, está Jesus: a sua história leva à perfeição” – recorda o Papa assinalando que o título desta Mensagem para a comunicação social, é retirado do livro do Êxodo, “narrativa bíblica fundamental que nos faz ver Deus a intervir na história do seu povo” – diz o Santo Padre.

Francisco sublinha que “Jesus O próprio Jesus falava de Deus, não com discursos abstratos, mas com as parábolas, breves narrativas tiradas da vida de todos os dias”.

Segundo o Papa através das parábolas e narrativas de Jesus “a vida faz-se história e depois, para o ouvinte, a história faz-se vida: tal narração entra na vida de quem a escuta e transforma-a” – escreve o Papa.

Histórias com amor e misericórdia

“A história de Cristo não é um património do passado; é a nossa história, sempre atual. Mostra-nos que Deus tomou a peito o homem, a nossa carne, a nossa história, a ponto de Se fazer homem, carne e história” – diz o Papa na sua Mensagem.

Francisco afirma a “dignidade” das “histórias humanas”. De cada história humana. O Papa escreve citando S. Paulo: Vós «sois uma carta de Cristo – escrevia São Paulo aos Coríntios – confiada ao nosso ministério, escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo; não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne que são os vossos corações» (2 Cor 3, 3).

O Santo Padre exorta os jornalistas na sua Mensagem a colocarem amor e misericórdia nas histórias que narram:

“Quando fazemos memória do amor que nos criou e salvou, quando metemos amor nas nossas histórias diárias, quando tecemos de misericórdia as tramas dos nossos dias, nesse momento estamos a mudar de página. Já não ficamos atados a lamentos e tristezas, ligados a uma memória doente que nos aprisiona o coração, mas, abrindo-nos aos outros, abrimo-nos à própria visão do Narrador” – escreve o Papa.

O Dia Mundial das Comunicações Sociais foi estabelecido pelo Concílio Vaticano II através do decreto “Inter Mirifica” em 1963 e assinala-se no domingo antes do Pentecostes. Este ano será a 24 de maio.

Laudetur Iesus Christu
Fonte: Vatican News
Foto: Papa Francisco na Sala Paulo VI (ANSA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *