terça-feira, setembro 29, 2020
Home > Notícias da Igreja > Páscoa sem o povo: santificar a festa além do preceito

Páscoa sem o povo: santificar a festa além do preceito

“Quem sabe se Deus não se mostre para nós, na interioridade da vida de cada um, com um rosto que nunca tínhamos pensado antes em outras páscoas”. Palavras do teólogo padre Roberto Repole convidando a santificar o tempo pascal apesar da obrigação da celebração sem o povo imposta pela pandemia do coronavírus.

“Devemos aceitar que nos encontramos em uma situação anômala, extraordinária portanto, não podemos aplicar os critérios que usamos normalmente. Isso acontece na nossa vida social, civil. Não é a normalidade termos medo uns dos outros, nos abstermos dos abraços, renunciar à vida social que nos forma, nos estrutura e nos torna o que somos. Assim como não é a normalidade evidentemente para nós cristãos não poder participar da Eucaristia e não poder celebrar a Páscoa”.

Padre Roberto Repole, teólogo sistemático, diretor da faculdade de Teologia de Turim, reflete sobre as consequências da pandemia do coronavírus que levou as autoridades eclesiásticas a proibir as celebrações religiosas com o povo e depois a determinar que a celebração da Semana Santa e Páscoa fosse “sem a participação do povo”. “Seria muito estranho se nós, cristãos, não sentíssemos o sofrimento por esta falta de presença. Mas devemos pensar que é isso que nos foi pedido neste momento para aderir à realidade”. “Talvez – explica o teólogo – desta falta de presença que nos faz sofrer, que deveria ser de todos, possamos acolher a oportunidade de redescobrir algo profundo e fundamental. Aquilo que estes sentimentos nos orientam e aquilo que nos fazem disponíveis: a presença do Senhor e a comunhão entre nós, irmãos”.

Padre Repole, um sacerdote que continua a encontrar as pessoas neste período não estaria fazendo um ato de coragem?

Padre Repole: Creio que não. Não se trata de coragem se esta coragem não traz consigo a certeza de que verdadeiramente está fazendo o bem para o outro e não causando a sua destruição. Parece-me uma ação desconsiderada em relação ao perigo que existe neste momento ao encontrar os outros: ou seja, pode levá-los até mesmo à morte.

Nesta particular Semana Santa, o que significa abrir o coração a Jesus, crer na Ressurreição?

Padre Repole: Creio que possa significar acabar com o mito cultural muito difuso de que somos onipotentes, não somos frágeis, somos donos de tudo. Seria muito belo viver esta Semana Santa reconhecendo de novo que somos criaturas necessitadas de uma salvação que nos vem de fora, e que chega até nós em um encontro pessoal. Creio que abrir o coração possa significar também descobrir um rosto inédito, diferente do que já conhecemos de nosso Senhor. Algumas vezes tenho a impressão de que quando falamos de Deus, nestes dias, fazemos como se fosse uma coisa. Com um valor ainda menor do que atribuímos a nós pessoas humanas. Deus é verdadeiramente alguém que conhecemos como uma verdade inesgotável, que nunca terminamos de provar, experimentar, apreciar na sua beleza infinita. Creio que seria belo abrir o coração neste sentido. Quem sabe se Deus não se mostre para nós, na interioridade da vida de cada um, com um rosto que nunca tínhamos pensado antes em outras páscoas.

Devemos redescobrir que a festa não se reduz ao preceito dominical?

Padre Repole: Creio que também os sofrimentos que temos neste momento algumas vezes possam depender do fato de termos reduzido a celebração da festa simplesmente ao preceito. Acredito que nenhum cristão autêntico não sinta hoje a desoladora falta da Eucaristia dominical, ainda mais das celebrações da Páscoa. Mas isso não significa que não podemos celebrar a Páscoa. Podemos fazer com os gestos que estão à nossa disposição na ausência da liturgia: a oração, o silêncio, a liturgia das horas, momentos de oração nas nossas famílias. Tudo isso com a certeza de que santificar o tempo é reconhecer que a minha vida vem de Deus. Santificar o tempo e fazer festa é algo bem maior do que simplesmente respeitar um preceito. Se há um preceito na Igreja que justamente nos convida a celebrar a Eucaristia todos os domingos é algo que devemos colocar em uma dimensão mais profunda: há um tempo que é de Deus e dá sentido a todo o resto do tempo. Essa é mais uma oportunidade que nos é dada: redescobrir que a Eucaristia dominical não conclui a celebração da festa.

Fonte: Vatican News

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *