/ NO AR /
(69) 99321-8279
Porto Velho, 28 de novembro de 2021 - 19h30
Home > Notícias da Igreja > Mundo > Padre Scalese: “Rezem, rezem, rezem pelo Afeganistão”

Padre Scalese: “Rezem, rezem, rezem pelo Afeganistão”

O avanço dos Talibãs continua. Depois de conquistar as principais cidades do país, eles estão a apenas 50 quilômetros da capital Cabul. Até agora, o pedido da ONU para iniciar conversações de paz com o governo tem sido em vão. Nos microfones da Rádio Vaticano o apelo do barnabita responsável pela Missio sui iuris no Afeganistão.

Giancarlo La Vella e Fausta Speranza – Vatican News

Cabul, a capital do Afeganistão e centro do poder institucional parece ter suas horas contadas. O avanço inexorável dos Talibãs poderia a qualquer momento trazer de volta ao poder o movimento fundamentalista que já governou o país de 1996 a 2001. Um regime que infelizmente entrou para a história, caracterizado por uma visão fortemente conservadora do Islã. Desde a invasão soviética em 1979, o Afeganistão não conhece a paz e agora o país sofre mais uma vez com a guerra, o exílio forçado e a fome. Uma situação, especialmente olhando para o drama dos civis, na qual o padre barnabita Giovanni Scalese, à frente da Missio sui iuris, presença católica no país asiático, exorta à proximidade através da invocação ao Senhor para salvar o Afeganistão da dor da guerra: “Rezem, rezem, rezem pelo Afeganistão”.

ONU: espaço para negociação

Enquanto isso, nas Nações Unidas, o secretário geral Antonio Guterres pediu a suspensão da ofensiva, que está tendo um forte impacto humanitário sobre a população civil, com 250.000 pessoas – 80% mulheres e crianças – já forçadas a deixar seus lares, e o início de colóquios de paz. Guterres também se diz horrorizado com as denúncias de abuso de mulheres. Tomar o país pela força, enfatizou, é uma escolha que corre o risco de levar a uma guerra civil e ao completo isolamento do Afeganistão do contexto internacional. A situação humanitária e sanitária está piorando a cada hora, disse ainda Guterres, salientando que “os conflitos nas áreas urbanas resultam em contínua carnificina, com os civis pagando o preço mais alto” da violência.

Fechamento iminente das embaixadas

Portanto, de um dia para o outro poderíamos estar testemunhando a batalha decisiva por Cabul e muitos se perguntam que envolvimento terão os 3.000 soldados estadunidenses enviados oficialmente para a capital em apoio ao pessoal diplomático dos EUA, que planejam evacuar a embaixada. Enquanto isso, Cabul está se tornando uma cidade fantasma com civis fugindo e escritórios diplomáticos sendo esvaziados. Em resumo, o medo é que se está prestes a presenciar outro capítulo na dramática história afegã das últimas décadas.

Depois de uma guerra de 20 anos

A história nos diz que o movimento Talibã controlou o País, como já mencionado, entre 1996 e 2001, até a invasão estadunidense decidida após os ataques terroristas em Nova York e Washington em 11 de setembro de 2001. O objetivo era encontrar os líderes da Al Qaeda, um grupo considerado responsável pelos ataques, aos quais os Talibãs ofereciam proteção. No Afeganistão, portanto, os Estados Unidos vêm travando uma guerra há 20 anos que começou com a derrubada do regime Talibã em outubro de 2001. No ano passado, depois que Washington anunciou a retirada de suas tropas do país, os Talibãs conseguiram tomar o controle de cerca da metade dos 400 distritos em que o Afeganistão está dividido, consolidando sua presença sobretudo nas áreas rurais. Nas últimas semanas, eles também começaram a visar as cidades mais importantes e agora estão ameaçando Cabul. Daniele De Luca, professor de Relações Internacionais na Universidade de Salento, fala da iminente instabilidade e deriva no Afeganistão.

Os fracassos da missão da OTAN

O estudioso sublinha como praticamente tudo já havia sido previsto: no momento da notícia da retirada das forças internacionais, era imaginável que os Talibãs voltassem a campo. O Afeganistão é um país complexo – explica ele – com uma história de derrota contínua para qualquer um que tenha tentado penetrá-lo de fora. Sobre estes 20 anos de presença, não se pode falar – disse -, de fracasso do Ocidente, mas certamente de fracasso da ideia de exportar democracia. Em particular, De Luca destaca um aspecto decepcionante: é evidente quantas pessoas estão desesperadas diante do retorno do regime Talibã e como milhares e milhares já estão tentando escapar, mas também é claro como os combatentes estão avançando praticamente sem encontrar resistência. Isto significa – afirma De Luca – que, infelizmente, a missão específica da OTAN, que era a de treinar as forças locais da lei e da ordem, tornando-as operacionalmente autônomas, não deu frutos.

A identidade Talibã

De Luca lembra, traçando o perfil dos Talibãs, que eles são os chamados estudantes de teologia das escolas corânicas, que desde os anos 90 se distinguem por suas posições extremistas. Na verdade, eles têm uma ligação muito forte com Al Qaeda desde os tempos em que Bin Laden estava escondido no Afeganistão e abraçaram a violência jihadista. Para entender algo mais, De Luca sugere olhar para o equilíbrio muito difícil entre xiitas e sunitas, para a história regional destas expressões do Islã. Sabendo exatamente quem eram os Talibãs em 2001 e quem são hoje, De Luca afirma que é muito difícil imaginar qualquer espaço para negociação ou diplomacia, mesmo que nas negociações de Doha, os estadunidenses estejam tentando mobilizar a comunidade internacional, incluindo a União Europeia, China, Rússia e Irã, para convencer os Talibãs a pararem e negociarem uma solução política, de acordo com o que a ONU pediu. De Luca também acredita que a posição do Afeganistão não permite qualquer intervenção ou envolvimento externo direto por parte do Irã, da Rússia e da Turquia, que têm sido ativos na Síria. Em segundo plano, está a retirada dos Estados Unidos. As forças internacionais estão completando sua desmobilização após 20 anos de guerra. O acordo sobre a partida foi alcançado em fevereiro do ano passado, após duras negociações entre os Talibãs e a administração estadunidense do então presidente Trump, mas o governo afegão não estava envolvido nessas conversações. Então o sucessor da Casa Branca, Joe Biden, anunciou que as tropas dos EUA deixariam o Afeganistão até 11 de setembro de 2021.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *