/ NO AR /
(69) 99321-8279
Porto Velho, 18 de janeiro de 2022 - 23h43
Home > Notícias da Igreja > Papa > Papa. “Peçamos ao Sagrado Coração a graça de podermos consolar”

Papa. “Peçamos ao Sagrado Coração a graça de podermos consolar”

“Contemplando o Coração de Cristo, podemos nos deixar guiar por três palavras: recordação, paixão e conforto”. Palavras do Papa Francisco na homilia Santa Missa na Universidade Católica de Roma por ocasião do 60° aniversário da inauguração da Faculdade de Medicina e Cirurgia que se encontra junto ao Hospital Gemelli

Jane Nogara – Vatican News

Nesta sexta-feira (05) o Papa Francisco presidiu uma Santa Missa na Universidade Católica de Roma por ocasião do 60° aniversário da inauguração da Faculdade de Medicina e Cirurgia que se encontra junto ao Hospital Gemelli. Na sua homilia o Papa disse que gostaria de compartilhar algumas reflexões sobre o nome da Universidade. “Ela é intitulada ao Sagrado Coração de Jesus, a quem este dia, a primeira sexta-feira do mês, é dedicado. Contemplando o Coração de Cristo, podemos deixar-nos guiar por três palavras: recordação, paixão e conforto”.

Ouça e compartilhe!

Recordação

“Re-cordar significa ‘retornar com o coração’. Ao que o Coração de Jesus nos faz retornar? Ao que Ele fez por nós: o Coração de Cristo nos mostra Jesus que se oferece: é o compêndio da sua misericórdia. Olhando para Ele, é natural recordar sua bondade, que é gratuita e incondicional, não depende de nossas obras. E isso nos comove”

Francisco adverte que com o nosso ritmo de vida “estamos perdendo a capacidade de nos comover e de sentir compaixão, porque estamos perdendo este retorno ao coração, à memória. Sem memória perdemos nossas raízes e, sem raízes, não crescemos. É bom para nós alimentar a memória daqueles que nos amaram, cuidaram de nós, nos encorajaram. Hoje eu gostaria de renovar meu “obrigado” pelos cuidados e afeto que recebi aqui”.

Então o Pontífice questiona: “Como funciona nossa memória? Dito de forma simples, poderíamos dizer que nos recordamos de alguém ou algo quando toca nosso coração, quando está ligado a um determinado afeto ou falta de afeto. Bem, o Coração de Jesus cura nossa memória porque a traz de volta ao afeto de origem. Ele a enraíza sobre a base mais sólida. Isso nos lembra que, aconteça o que acontecer conosco na vida, nós somos amados”.

Memorizar os rostos que encontramos

O Papa disse que esta memória, pode ser reforçada quando estamos ao lado do Senhor e nos deixamos amar por Ele na adoração. E continua: “Mas também podemos cultivar entre nós a arte da recordação, valorizando os rostos que encontramos”.

“É bom para nós, à noite, rever os rostos que encontramos, os sorrisos que recebemos, as boas palavras. São recordações de amor e ajudam nossa memória a se reencontrar. Como essas recordações são importantes nos hospitais! Elas podem dar sentido ao dia de um enfermo. Uma palavra fraterna, um sorriso, uma carícia no rosto: são recordações que curam por dentro, fazem bem ao coração. Não esqueçamos a terapia da recordação!”

Paixão

A palavra é paixão. Depois de dizer que temos que recordar que o Coração de Cristo não é “uma devoção piedosa para sentir um pouco de calor interior”, Francisco afirma ao invés que é “um coração apaixonado, ferido de amor, dilacerado por nós na cruz”. “Trespassado, doa; morto, nos dá vida”.

“O Sagrado Coração é o ícone da paixão: nos mostra a ternura visceral de Deus, sua paixão amorosa por nós e, ao mesmo tempo, sob o peso da cruz e cercado de espinhos, nos mostra quanto sofrimento custou nossa salvação. Na ternura e na dor, esse Coração revela, em suma, qual é a paixão de Deus: o homem”

E explica: “O que isso sugere? Que se realmente queremos amar a Deus, devemos ser apaixonados pelo homem, por todo homem, sobretudo aqueles que vivem a condição na qual o Coração de Jesus se manifestou: dor, abandono, descarte”. “Porque – continua o Papa – o Coração de Deus dilacerado é eloquente. Fala sem palavras, porque é misericórdia em seu estado puro, amor que é ferido e dá vida. É Deus”.

“Quantas palavras dizemos sobre Deus sem demonstrarmos amor! Mas o amor fala por si mesmo, não fala de si mesmo. Peçamos a graça de ser apaixonados pelo homem que sofre, de ser apaixonados pelo serviço, para que a Igreja, antes de ter palavras para dizer, possa custodiar um coração que pulsa de amor”.

Conforto

Ao falar sobre a palavra conforto no contexto das três palavras pelas quais nos deixamos guiar ao contemplar o Coração de Jesus afirma:

“Ela indica uma força que não vem de nós, mas daqueles que estão conosco. Jesus, o Deus conosco, nos dá esta força, seu Coração nos dá coragem nas adversidades. Tantas incertezas nos assustam: nesta época de pandemia, descobrimos que somos pequenos e mais frágeis”.

Nossa fragilidade precisa de conforto

Somos frágeis aos enfrentarmos adversidades, podemos nos sentir desencorajados, por isso precisamos de conforto, portanto afirma:

“O Coração de Jesus bate por nós, sempre repetindo estas palavras: ‘Coragem, não tenha medo’. Coragem irmã, coragem irmão, não desanime, o Senhor teu Deus é maior que teus males, ele te pega pela mão e te acaricia. Ele é seu conforto”

Na conclusão de sua homilia afirma:

“Se olharmos a realidade a partir da grandeza de seu Coração, a perspectiva muda, nosso conhecimento da vida muda porque, como São Paulo nos lembrou, conhecemos ‘o amor de Cristo que supera todo conhecimento’ (Ef 3,19). Encorajemo-nos com esta certeza, com o conforto de Deus. E peçamos ao Sagrado Coração a graça de, por nossa vez, podermos consolar”.

Fonte: Vatican News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *