Porto Velho, 20 de agosto de 2019
Home > Notícias > Religiosas e sacerdotes presos nos EUA no protesto contra políticas migratórias

Religiosas e sacerdotes presos nos EUA no protesto contra políticas migratórias

Uma manifestação de desobediência civil organizada no Senado dos Estados Unidos resultou na prisão de alguns religiosos. O protesto foi promovido pelo Colomban Center para a defesa e a sensibilização, pela Conferência dos Superiores Maiores do sexo masculino, pela Conferência Jesuíta do Canadá e dos EUA, pela Conferência das Religiosas dos Estados Unidos, pela Pax Christi EUA, entre outros, contra as políticas de imigração implementadas na fronteira, em particular as medidas contra as crianças.

Os manifestantes entraram no Salão Oval do Senado tendo em mãos fotos de crianças migrantes que morreram em instalações de custódia do governo federal. Pouco antes, no gramado externo,  haviam rezado, ouvido testemunhos de migrantes aterrorizados com a ideia de perder seus filhos e lido as mensagens dos bispos presentes em apoio ao protesto.

Ignorando as advertências dos agentes, segundo a agência de notícias Sir, cinco dos ativistas deitaram-se no piso do Capitólio formando uma cruz humana. Em coro, entoavam os nomes das pequenas vítimas: “Darlyn, Jakelin, Felipe, Juan, Wilmer, Carlos”.

A polícia teve que intervir, prendendo alguns dos manifestantes enquanto deitados entoavam cânticos. Foram algemadas freiras, membros de paróquias e outros líderes católicos, retirados enquanto recitavam a Ave Maria.

Entre os 70 presos, está a Irmã Pat Murphy, de 90 anos, que trabalha com migrantes e refugiados em Chicago e que há 13 anos organiza, todas as sextas-feiras, vigílias de oração em frente à agência de migração.

“O tratamento dos migrantes deveria ofender todas as pessoas de fé”, reiterou Irmã Pat, apoiada pela Irmã Ann Scholz, da Conferência das superioras das religiosas estadunidenses.  “Estamos aqui porque o Evangelho nos obriga a agir e estamos indignadas com o horrível tratamento reservado às famílias, em particular, às crianças”, afirmaram.

“Luzes pela liberdade”

 A manifestação de quinta-feira, 18, é apenas uma das tantas ocorridas em várias cidades em todo o país desde o último sábado. O anúncio da ação dos agentes imigratórios mobilizou centenas de pessoas de todas as religiões, que juntas, pedem uma mudança radical nas leis de migração e o fim da detenção de migrantes em centros de detenção na fronteira com o México, onde as imagens de crianças imigrantes, separadas de suas famílias e mantidas em uma espécie de gaiolas e áreas com cercas, completamente insalubres, indignaram a nação.

“Luzes pela liberdade” é o nome dado a esses protestos, que têm como símbolo a Estátua da Liberdade, um ícone da acolhida de imigrantes nos Estados Unidos.

Na terça-feira passada, escreve Maddalena Maltese em seu artigo, dez manifestantes judeus também foram presos: a acusação foi que eles tinham entrado ilegalmente no hall da sede da Agência para controle de fronteiras e da imigração em Washington, enquanto outros 100 ativistas criaram uma barreira humana, todos de mãos dadas, na frente das portas e garagens do prédio, com o objetivo de interromper as operações de limpeza feitas por  agentes da imigração.

Basta de ódio contra os refugiados

 O cardeal de Nova York Timothy M. Dolan, após a Missa dominical celebrada na Capela de Santa Francisca Cabrini, padroeira dos imigrantes, denunciou a atitude geralmente negativa em relação aos refugiados e requerentes de asilo, precisamente em um país que, por definição, “é nação de imigrantes “.

O purpurado reconheceu com dor que existem “muitos lugares” onde “os refugiados são objeto de ódio e de malícia”.

Ameaças de deportação são cruéis

 No Texas, o bispo de Brownsville, Daniel Flores, disse que “as ameaças de deportação são cruéis para as famílias e crianças, e que a separação dos pais de seus filhos, sem sequer a possibilidade de comparecer no tribunal, é reprovável”.

“As leis – acrescentou  – deveriam  tratar famílias e crianças de maneira diferente de como são tratados os chefões do tráfico”.

Por fim,  o diretor executivo da Rede de Solidariedade Inaciana, Christopher Kerr,  explicou que os grupos e paróquias associados aos jesuítas no serviço aos migrantes, distribuíam manuais de emergência durante as Missas em espanhol , e muitas paróquias declararam-se “santuários” para garantir a segurança das famílias que teriam pedido acolhida.

Fonte: Vatican News com informações de  Maddalena Maltese, de New York –  Agência Sir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *