sábado, julho 20, 2019
Home > Notícias > Sínodo para a Amazônia chega à França

Sínodo para a Amazônia chega à França

Dom Roque Paloschi e Ir. Irene Lopes em reuniões e encontros com grupos religiosos, instituições e meios de comunicação franceses.

As discussões sobre o Sínodo para a Amazônia ganham destaque na França. Desde a última sexta-feita (17/05), encontros e reuniões têm sido realizados com diferentes grupos para falar sobre a importância desse grande evento eclesial e seus impactos para a Igreja universal.

A religiosa Maria Irene Lopes, assessora da Comissão Episcopal para a Amazônia e secretaria executiva da REPAM-Brasil, juntamente com Dom Roque Paloschi, arcebispo de Porto Velho/RO e presidente do Conselho Indigenista Missionário/CIMI têm sido recebidos por diversos órgãos, institutos religiosos e meios de comunicação na França. Depois da reunião do Conselho Pré-Sinodal, os dois seguiram numa agenda de articulações e mobilizações em vista do Sínodo para a Amazônia. “Foram momentos muito fortes que tivemos até agora”, relatou Ir. Irene, ao comentar as reuniões já realizadas.

Na última sexta-feira Ir. Maria Irene e Dom Roque estiveram  com as Irmãs de São Carlos, em Lyon. Na oportunidade, conversaram com o grupo sobre o Sínodo e o processo da Igreja na Amazônia e pediram orações pelo bom desenvolvimento da assembleia sinodal. Já no Domingo, os porta-vozes do Sínodo da Amazônia na França, visitaram a comunidade de Taizé. Lá também rezaram e explanaram sobre o processo Sinodal e sobre a realidade das comunidades tradicionais. “Taizé acolhe o Sínodo rezando e amazonizando os jovens da Europa”, comentou Ir. Irene sobre a passagem pela comunidade ecumênica.

A Amazônia e o Sínodo seguem sendo pauta na mídia francesa e em reuniões pelos próximos dias. Hoje (21), Dom Roque e Ir. Irene participam de encontros com jornalistas e de um diálogo com a equipe do CCFD – Terre Solidaire, Secours Catholique – Cáritas França e Pólo América Latina do Serviço Missionário Universal da Igreja sobre a situação dos povos indígenas no Brasil.

Fonte: REPAM
Por: Divulgação REPAM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *