/ NO AR /
(69) 99321-8279
Porto Velho, 26 de outubro de 2021 - 15h10
Home > Notícias > Budapeste: Dom Veres e a intensa experiência de unidade no Congresso Eucarístico

Budapeste: Dom Veres e a intensa experiência de unidade no Congresso Eucarístico

O presidente da Conferência Episcopal da Hungria, Dom András Veres descreve ao Vatican News o que se vive nestes dias do Congresso e também da sua esperança de que esta celebração dê bons frutos para a Hungria e toda a Igreja

Agnes Gedo – Budapeste

Faltando poucos dias para a chegada do Papa Francisco a Budapeste, onde presidirá a celebração conclusiva do Congresso Eucarístico Internacional na Praça dos Heróis da capital húngara, o presidente da Conferência Episcopal da Hungria, Dom András Veres de Győr, falou ao Vatican News sobre os temas mais próximos ao coração de sua Igreja local: a participação profundamente sentida e os momentos de espiritualidade vividos no Congresso Eucarístico e a alegre expectativa da chegada do Papa no domingo (12/09). A mensagem de paz e solidariedade que o Congresso quer lançar ao mundo; a importância do evento para um melhor conhecimento de seu país e também, o compromisso da Igreja da Hungria em defesa dos valores cristãos, dos filhos, da família e do matrimônio.

Ouça e compartilhe!

Dom Veres, o senhor pode nos dizer algo sobre o atual Congresso Eucarístico?

Graças a Deus, estamos reunidos em grande número. Não esperava tanta presença, mas graças a Deus, somos muitos. Sentimos – como me disseram os bispos de outros países – um clima de oração e de silêncio. Foi bom rezar juntos e certamente para um encontro como este, que é um Congresso Eucarístico, é mais importante ter estes momentos de oração e não apenas os de conferências ou eventos culturais: por isso foi uma bela experiência desde o início.

Já se pode falar de um fruto espiritual do Congresso neste sentido?

Temos esperanças, não podemos dizer que frutos teremos. Entretanto, na minha opinião, neste momento na Europa e também no mundo inteiro, este encontro pode certamente trazer uma boa mensagem de paz e reconciliação. A Hungria está no centro da Europa, aqui existe a possibilidade de um encontro entre a Igreja Oriental e a Igreja Ocidental, e isto está realmente acontecendo porque muitos bispos e cardeais do Oriente Médio estão presentes, testemunhando o sofrimento e a perseguição que sofrem em seu país. Seu testemunho comoveu a todos, todos receberam grandes aplausos, as pessoas presentes quiseram expressar sua solidariedade, sua oração, a comunhão de oração com eles.

Pode-se perceber a solidariedade e a unidade da Igreja, ou seja, que todos nos sentimos irmãos, independentemente das nações, continentes?

Sim, foi muito belo: ainda esta manhã um jovem que eu não conhecia se aproximou de mim pedindo uma entrevista para a Rádio Maria e disse que para ele esta experiência de unidade era única. Ele nunca tinha pensado sobre a Igreja universal como agora, vendo todos esses bispos do Ocidente e do Oriente, do Norte ao Sul, da África e da Ásia. Por isso, ficou emocionado ao sentir esta comunhão da Igreja universal e certamente para muitos húngaros esta será talvez a primeira e única oportunidade em suas vidas de vivê-la, pois geralmente não podemos viajar para outro continente ou país distante para participar de um Congresso semelhante a este.

Qual é a importância para a Igreja húngara tanto do Congresso Eucarístico quanto da presença do Santo Padre?

Tenho que dizer um desejo meu. A Hungria, a Igreja húngara também, encontram-se em um momento muito difícil, considerando a situação política e social na Europa. Muitas vezes ouvimos duras críticas, não verdadeiras. Assim, os que tiveram a oportunidade de estar presentes, de ouvir e ver o que está acontecendo na Hungria, na Igreja, na cidade de Budapeste, podem ver pessoalmente que a verdade é muito diferente. Os meios de comunicação de massa não dão informações corretas e verdadeiras sobre nosso país e a vida eclesial húngara. Esperamos que nosso testemunho de cuidar com força dos valores cristãos, dos filhos, da família, do matrimônio, em termos concretos e não apenas em palavras, deixe claro que ainda hoje estamos defendendo a Igreja, os valores cristãos evangélicos, por isso esperamos que todos possam ter pelo menos um pequeno sentimento em favor da Igreja e do povo húngaro. Com nosso testemunho de que após tantos anos de ateísmo e comunismo a Igreja vive, de fato, está crescendo mesmo com muitas dificuldades – porque temos muitos problemas de secularização e outros problemas que também estão presentes nos países ocidentais – mas existe uma semente, um núcleo da população que quer viver o cristianismo, a fé, esperamos que com este testemunho possamos mostrar estes valores e nosso desejo.

Com que espírito os fiéis estão esperando o Papa Francisco em Budapeste?

Embora sejam dias úteis, muitos estão presentes. Sabemos pelas reservas que muitos mais virão para a chegada do Santo Padre para a Missa Statio Orbis. É nosso desejo que todos tenham uma boa experiência em celebrar junto com o mundo inteiro, através do Papa e desta missa, queremos expressar este sentimento, este pensamento. Assim como todos tenham uma experiência positiva de todo o Congresso, porque me lembro bem que meus avós sempre falaram sobre o Congresso Eucarístico de 1938. Portanto, que as pessoas, os que podem estar presentes nesta celebração, tenham a mesma oportunidade de contar a seus filhos e netos sobre esta bela experiência de encontrar o Santo Padre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *